Presidente indonésio tenta se manter no poder

Diante da ameaça de impeachment, o presidente da Indonésia, Abdurrahman Wahid, 61 anos, se reuniu com seus aliados mais próximos para traçar um plano que o mantenha no poder. Oficiais do Palácio Presidencial disseram que Wahid acredita poder negociar um acordo e evitar seu impeachment. Ontem, o Parlamento indonésio aprovou um voto de censura por corrupção e incompetência, abrindo caminho para seu possível julgamento político.Wahid sustenta que as manobras para tirá-lo do poder são inconstitucionais e que ele ficará na presidência até o fim de seu mandato, em 2004. A porta-voz Yahya Staquf disse que o presidente e os ministros já estão trabalhando em uma resposta para o voto de censura emitido pelo Parlamento. "Ele fará um anúncio o mais rápido possível. A posição do presidente não mudou. Ele continuará a insistir no diálogo com os parlamentares para econtrar uma solução."É a segunda vez em três meses que o Legislativo censura formalmente o chefe de Estado indonésio. A medida foi aprovada por 363 votos a favor, 52 contra e 42 abstenções. O resultado coloca sérias dúvidas de que a atribulada presidência de Wahid possa sobreviver por um período maior do que alguns poucos meses. Mas Wahid não pretende renunciar a favor da popular vice-presidente do país, Megawati Sukarnoputri, e líder do maior partido do Parlamento. Ele agora tem um mês para responder às acusações de envolvimento em dois escândalos. Se o Parlamento rejeitar a defesa do presidente, a Assembléia do Povo pode ser convocada para iniciar o julgamento político de Wahid.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.