Presidente interina da Geórgia pede ordem no país

Em seu primeiro pronunciamento à nação como presidente interina da Geórgia, a líder oposicionista Nino Burdzhanadze prometeu realizar eleições em 45 dias e pediu à polícia e serviços de segurança para restaurar a ordem, depois de uma onda de protestos que varreu do poder o presidente Eduard Shevardnadze. Burdzhanadze exortou os georgianos respeitarem as leis. "A ordem tem de ser imediatamente restaurada não apenas em Tbilisi, mas em todas as regiões do país", disse ela, num discurso televisionado.Mais tarde, ele afirmou à tevê estatal que cancelaria o estado de emergência impostos dois dias atrás por Shevardnadze. "O estado de emergência não deveria ter sido anunciado, e não existe necessidade dele agora", acrescentou. A vida em Tbilisi parecia retornar ao normal depois de uma noite de comemorações nas ruas.Shevardnadze renunciou no domingo, depois de uma década de crescente descontentamento e três semanas de protestos contra fraudes ocorridas nas eleições parlamentares de 2 de novembro. Críticos disseram que as fraudes foram um exemplo da corrupção que tomou a ex-república soviética durante o governo Shevardnadze.A Geórgia situa-se entre a Turquia, um membro da Otan, e a Rússia. Por seu território passará um oleoduto ligando o Mar Cáspio ao Ocidente.O país é de grande interesse estratégico tanto para Washington. Os EUA reconheceram Burdzhanadze como presidente interina e a exortaram a buscar a estabilidade, respeitar a Constituição e promover eleições democráticas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.