Sabah via AP
Sabah via AP

Presidente iraniano diz que sauditas tiveram alguma ajuda dos EUA no assassinato de Khashoggi

Declaração vem depois que presidente da Turquia exigiu uma comissão independente para investigar a morte de jornalista da Arábia Saudita em 2 de outubro por um esquadrão de 15 homens, em Istambul

O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2018 | 11h13

RIAD - O presidente iraniano, Hassan Rohani, afirmou nesta quarta-feira, 24, que a Arábia Saudita não teria ousado assassinar o jornalista Jamal Khashoggi dentro do consulado do reino em Istambul sem ter alguma espécie de ajuda dos EUA. A fala acontece após a afirmação da Turquia de que o escritor foi morto por um esquadrão saudita de 15 homens, que incluía um membro da comitiva de viagens internacionais do príncipe Mohamed bin Salman.

Segundo a agência estatal iraniana, Irna, Rohani disse: “Eu não acho que, sem suporte dos Estados Unidos, um país ousaria cometer esse tipo de crime.” Ele não deu evidência para suas alegações. Rohani também caracterizou o sistema de governo saudita como “ordem tribal”, sob o qual indivíduos se aproveitam da proteção e apoio daqueles no poder.

Também nesta quarta-feira, em Ancara, na capital da Turquia, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que o país está determinado a não permitir que os responsáveis pelo assassinato do jornalista escapem da justiça.

Erdogan também se comprometeu a compartilhar novas evidências da investigação de uma “maneira transparente”. “Nós estamos determinados a não deixar que os responsáveis pela morte, aqueles que deram a ordem e os que a executaram, sejam acobertados e escapem da justiça,” diz.

A Arábia Saudita disse que Khashoggi, um crítico da família real saudita, foi morto em 2 de outubro em uma luta de socos com oficiais enviados para trazê-lo de volta ao reino. Erdogan disse que o jornalista de 59 anos, colunista do Washington Post, foi vítima de um planejado “assassinato selvagem”. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.