Presidente israelense se afasta temporariamente do cargo

O presidente israelense, Moshe Katsav, informou ao Parlamento na quarta-feira que vai se afastar temporariamente de seu cargo. A decisão foi tomada depois que promotores anunciaram pretender acusá-lo de estupro e de uma série de outros abusos sexuais, disse uma emissora de TV. O Canal Dois de televisão disse que Katsav informou o presidente do parlamento de sua decisão depois de pedidos na Casa por sua renúncia. De acordo com a lei israelense, um presidente não pode ser levado a julgamento enquanto estiver no cargo. O presidente vinha sofrendo pressão para que se afastasse do cargo, principalmente da ministra de Justiça e também titular das Relações Exteriores israelense, Tzipi Livni, que pediu ainda nesta quarta-feira a renúncia do presidente.Livni fez essa chamada em sua função de ministra da Justiça, cargo que ocupa provisoriamente porque o ex-titular, Haim Ramon, está suspenso também devido a um crime sexual.Katsav, que negou as acusações de crimes sexuais, dará uma entrevista coletiva às 19h30 (15h30 de Brasília), segundo seu gabinete, para fazer seus primeiros comentários públicos desde a divulgação dos detalhes da proposta de indiciamento pelo Ministério da Justiça. Katsav é o primeiro presidente de Israel a fazer um juramento sob um termo de sete anos de duração e o primeiro candidato do partido Likud a assumir o cargo. O cargo de Katsav é cerimonial, sem poderes executivos, a não ser conceder perdão a prisioneiros e permutar sentenças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.