Riccardo Antimiani/Efe
Riccardo Antimiani/Efe

Presidente italiano aceita renúncia de Letta

Primeiro-ministro renunciou ápós perder apoio do próprio partido no Parlamento

O Estado de S. Paulo,

14 de fevereiro de 2014 | 11h11

(Atualizada às 16h05) ROMA - O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, aceitou nesta sexta-feira, 14, a renúncia do primeiro-ministro, Enrico Letta. O premiê se reuniu com Napolitano nesta e entregou sua renúncia, um dia após o seu próprio partido, o Partido Democrático (PD), votar a favor de sua saída, abrindo caminho para um novo governo.

Napolitano vai começar imediatamente as consultas para formar um novo governo e completar o processo até sábado, disse o gabinete do presidente em comunicado. Há grande expectativa de que ele peça ao líder do PD, Matteo Renzi, para assumir o cargo.

Letta deve permanecer no cargo até que um novo governo seja indicado. O premiê anunciou que renunciaria na quinta-feira 13, depois de perder o apoio do PD no Parlamento, que decidiu pela substituição de Letta por 136 votos a favor, 16 contra e 2 abstenções.

A justificativa da disputa dentro do partido foi acelerar as reformas propostas pelo governo, bloqueadas no Parlamento por falta de uma maioria estável.

Governo. O gabinete do primeiro-ministro foi formado em abril, depois de mais de dois meses de impasse em razão do resultado das eleições de fevereiro. À época, a cena política italiana ficou dividida em três partes: o então chefe do PD, Pier Luigi Bersani, o líder do partido Povo da Liberdade e ex-premiê Silvio Berlusconi, e o Movimento 5 Estrelas, de Beppe Grillo.

Letta fez um acordo entre o PD e uma fração dissidente do partido de Berlusconi, o Novo Centro-Direita (NCD). Assim, conseguiu a maioria que precisava para governar, tendo como vice o ex-aliado de Berlusconi, Angelino Alfano./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
Enrico LettaItáliaGiorgio Napolitano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.