EFE/ Angelo Carconi
EFE/ Angelo Carconi

Presidente italiano propõe governo 'neutro' até dezembro

Sergio Mattarella propôs que país seja governado até o fim do ano por formação técnica depois do último dia de consultas sem acordo para formar maioria no Parlamento; líderes dos dois partidos mais votados estão dispostos a realizar nova eleição em julho

O Estado de S.Paulo

07 Maio 2018 | 16h43

ROMA - Tentando contornar a ausência de um acordo para formar maioria no Parlamento italiano, o presidente Sergio Mattarella anunciou nesta segunda-feira, 7, a proposta de um governo “politicamente neutro” que comandaria o país até dezembro.  O chefe de Estado italiano está sob pressão, no entanto, por conta da oposição intensa de alguns partidos, e uma nova eleição pode ser realizada em julho caso os parlamentares não cheguem a um consenso.

+ Partido populista diz que sua presença no próximo governo da Itália é ‘inevitável’

Em declarações para a imprensa após o último dia de consultas com os partidos, pouco mais de dois meses após as eleições de março, Mattarella desconversou sobre quem poderia liderar o governo e pediu aos partidos que sejam “responsáveis”. Caso contrário, o presidente ameaçou convocar novas eleições.

O Movimento 5 Estrelas, partido que transita entre pautas da esquerda e direita, e o Liga, de extrema-direita, conquistaram a maior parte das cadeiras no Parlamento e reafirmaram tanto sua oposição a um governo técnico quanto sua disposição para realizar novas eleições em 8 de julho.

Matteo Salvini, da Liga, e e Luigi Di Maio, Movimento 5 Estrelas, propuseram a data depois da reunião no Parlamento em que nenhum grupo político conseguiu formar maioria. “Oito de julho é a primeira data possível para se votar, e Di Maio também concorda”, disse Salvini a repórteres após o encontro.

+ O direito de ser italiano

Salvini até tentou convencer Mattarella que o autorizasse a formar um governo na condição de chefe da aliança de centro-direita que conquistou mais assentos na eleição. Entretanto a centro-direita ainda precisaria de 50 cadeiras para ter maioria, e, segundo uma fonte do gabinete presidencial, é mais provável que Mattarella tente formar um governo neutro aceitável a um maior número de partidos.

O atual presidente é resistente quanto à ideia de novas eleições, já que considera uma reforma eleitoral imprescindível para a votação. De acordo com Mattarella, sem uma alteração nas leis eleitorais italianas, uma nova votação em julho pode não modificar o equilíbrio de poder, e uma eleição em outubro ameaçaria a adoção do orçamento de 2019, o que comprometeria a estabilidade financeira do país.

“Esta legislatura seria a primeira na história da República Italiana a parar antes mesmo de começar", argumentou Mattarella, indicando ainda que, caso uma maioria política seja formada nos próximos meses, o governo “neutro” renunciaria imediatamente. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.