Presidente Kabila pede por calma no Congo

O presidente do Congo, Joseph Kabila, pediu nesta quinta-feira à população congolesa para manter a calma e evitar provocações que levem à violência, horas após ser proclamado vencedor das eleições presidenciais."Juntos devemos dar o último toque na obra de reconciliação nacional", afirmou Kabila, de 35 anos, em curta mensagem divulgada pela televisão e rádio pública da República Democrática do Congo (RDC). Kabila, que em 2001 substituiu seu pai, Laurent Kabila, no poder, após ele ter sido assassinado por um segurança, foi declarado vencedor do segundo turno das eleições presidenciais, disputada em 29 de outubro.A Comissão Eleitoral Independente, ao divulgar os resultados finais, disse que Kabila havia conseguido 58.05% dos votos, enquanto seu rival nas urnas, o vice-presidente Jean Pierre Bemba, obteve 41.95%.Os dados da votação têm que ser confirmados pela Suprema corte até o final do mês, uma vez revisadas as impugnações que possam ocorrer. "Confio que superaremos as atuais dificuldades e as urgências que temos", afirmou Kabila. O governante fez um pedido para "enterrar todos os antivalores, como a xenofobia, o tribalismo, a intolerância, a exclusão e a incitação ao ódio, a corrupção e a injustiça. Devemos trabalhar pela recuperação do país." As últimas eleições foram as primeiras livres e plurais na ex-colônia belga em mais de 40 anos, e representam um passo importante para devolver a tranqüilidade do país. Há 40 anos o Congo sofre com guerras e ditaduras que causaram milhões de mortes e destroçaram um dos países mais ricos da África.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.