Presidente norte-coreano teria passado por uma cirurgia

O presidente norte-coreano Kim Jong Il está se recuperando de uma cirurgia, informou hoje a agência de espionagem da Coréia do Sul. Autoridades da nação norte-coreana rejeitaram rumores sobre a saúde de Kim e afirmaram que ele está bem. As especulações sobre uma possível doença aumentaram ontem após o líder não comparecer à parada em comemoração aos 60 anos de fundação do Estado comunista. O Serviço Nacional de Inteligência da Coréia do Sul informou a um comitê parlamentar que havia recebido relatórios de inteligência, segundo os quais Kim foi recentemente submetido a uma cirurgia não especificada no sistema circulatório. Ainda segundo esse relato, a saúde de Kim melhorou bastante deste então. O funcionário responsável pela informação pediu anonimato.A agência de notícias Yonhap, citando parlamentares que receberam informações da agência de espionagem, sustentou que Kim, de 66 anos, havia sofrido uma hemorragia cerebral. Porém ele permanece consciente e "é capaz de controlar a situação". Ainda segundo essa fonte, Pyongyang não vive um "vácuo de poder".Mais cedo, funcionários norte-coreanos haviam negado que Kim estivesse doente ou qualquer outro rumor por causa de sua ausência na parada comemorativa. "Não há problemas", disse Kim Yong Nam, líder número 2 do país, à agência japonesa Kyodo. Song Il Ho, um alto diplomata, disse que os relatos sobre a doença de Kim eram "sem valor" e um "plano conspiratório". Segundo ele, a mídia ocidental já publicou informações falsas antes sobre o país.Desde 2002, a Coréia do Norte vive um impasse com os Estados Unidos por causa de suas ambições nucleares. O país realizou seu primeiro teste nuclear em 2006, mas concordou no ano passado em desmantelar suas instalações nucleares, em troca de auxílio econômico e concessões políticas.As negociações, porém, chegaram a um impasse recentemente sobre como verificar as declarações de Pyongyang sobre o tema. Washington até agora reluta em cumprir a promessa de retirar a Coréia do Norte de sua lista de nações terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.