Rodrigo Cavalheiro/Estadão
Rodrigo Cavalheiro/Estadão

Presidente promulga lei e Chile adia eleições constituintes para maio

Mais cedo, Parlamento havia aprovado o adiamento da votação, que ocorreria no próximo fim de semana

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2021 | 19h48

SANTIAGO - O presidente do Chile, Sebastián Piñera, promulgou nesta terça-feira, 6, a lei que adia por cinco semanas as eleições para prefeitos, governadores e delegados que vão redigir a nova Constituição, marcadas para este fim de semana, devido ao aumento dos casos de coronavírus

Mais cedo, o Parlamento do Chile havia aprovado o adiamento da votação, após um árduo processo em ambas as Casas.

"Não nos pareceu prudente, nem conveniente realizar eleições neste próximo fim de semana", disse Piñera em uma cerimônia no Palácio de La Moneda, nove dias depois de seu governo apresentar o projeto de lei para adiar as eleições para os dias 15 e 16 de maio.  

Mais de 14,7 milhões de chilenos estão convocados a eleger seus representantes municipais e regionais - até agora os governadores eram nomeados pelo governo nacional - e os 155 delegados que redigirão uma nova Constituição, um processo iniciado após os protestos de 2019.

O atraso na oficialização do adiamento se deu por diferenças sobre pequenos detalhes eleitorais entre o partido governista e a oposição. Na semana passada, eles enfim concordaram em mover as eleições em troca de maiores restrições de mobilidade no combate à pandemia e um pacote de medidas econômicas para ajudar a classe média nos próximos meses.

Após um debate sem fim e menos de quatro dias antes das eleições, os parlamentares resolveram suspender as campanhas eleitorais até 28 de abril. Os prefeitos que haviam deixado seus cargos para concorrer à reeleição retornarão ao posto até o próximo dia 15.

Os deputados e senadores rejeitaram, entretanto, outros três pontos: a declaração dos dias de votação como feriados, a remissão durante o período de adiamento dos juros bancários para os candidatos que solicitaram empréstimos para realizar a campanha e transporte gratuito para incentivar a participação.

O adiamento também significa que o segundo turno das eleições para governadores será transferido de 9 de maio para 13 de junho, enquanto as primárias presidenciais serão realizadas em 18 de julho.

Com a ocupação hospitalar em 95%, mais de 83% da população confinada e um número recorde de infecções devido à propagação de novas variantes, o Chile está passando pelo pior momento da pandemia, apesar de seu avançado processo de vacinação.

Desde 3 de fevereiro, mais de 7 milhões de pessoas receberam pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19, mais de 4 milhões com as duas injeções. Isso torna o país dos que tem maior porcentagem da população inoculada.

O governo chileno acredita que os primeiros efeitos da vacinação serão sentidos até meados de abril e espera que até nas eleições de maio haja 9,3 milhões de pessoas com pelo menos uma dose. A chamada imunidade do rebanho é esperada até o final de junho. /EFE e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.