Presidente sanciona a lei do aborto em Portugal

O presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, sancionou nesta terça-feira, 10, uma nova lei permitindo o aborto até a 10ª semana de gravidez, aproximando o país fortemente católico da maioria de seus vizinhos europeus.Mas o presidente Cavaco Silva pediu ao Parlamento, que aprovou o projeto de lei no mês passado após um referendo nacional sobre a questão, para adotar novas medidas que garantam que o aborto seja visto como um último recurso.O Parlamento aprovou por ampla maioria a legalização do aborto depois do referendo de fevereiro. O comparecimento às urnas não foi suficiente para torná-lo válido, mas a maioria dos que participaram foi a favor da mudança, que há muito era buscada pelo governista Partido Socialista.Pela Constituição portuguesa, leis aprovadas pelo Parlamento têm de ser sancionadas pelo presidente.A lei do aborto, que enfrentou forte oposição da Igreja Católica, entrará em vigor quando for publicada no diário oficial, provavelmente no mês que vem.A nova lei não estabelece restrições às mulheres que optam por suspender a gravidez até a 10ª semana, apesar de exigir um período obrigatório de reflexão de três dias antes que o aborto seja realizado.A antiga lei era uma das mais restritivas da Europa, permitindo o aborto nas primeiras 12 semanas de gravidez apenas se a saúde da mãe estivesse em risco. No caso de estupro, o procedimento podia ser feito até a 16ª semana. Não havia restrição de tempo apenas quando o aborto era a única esperança para salvar a vida da grávida.O governo espera que a nova lei ponha fim aos perigosos abortos ilegais, feitos muitas vezes em precárias condições. Grupos de direitos das mulheres afirmam que cerca de 10.000 mulheres são hospitalizadas anualmente em Portugal por complicações relacionadas a abortos ilegais.O comunicado do presidente, divulgado na página oficial na internet do chefe de Estado, inclui uma mensagem ao Parlamento exortando os legisladores a aprovar novas salvaguardas que garantiriam que não haverá um forte crescimento no número de abortos.Cavaco Silva disse que as mulheres grávidas devem ser informadas sobre a possibilidade de o filho ser adotado e têm de receber aconselhamento sobre as possíveis conseqüências de um aborto para a saúde.Ele também recomendou que o pai da criança atenda às sessões de aconselhamento da mãe, embora que a decisão final continue sendo da mulher.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.