Presidente somali renuncia após perder controle do país

O presidente da Somália, cujo governo tem apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), renunciou hoje afirmando que perdeu o controle do país para insurgentes islâmicos e que não poderá completar seus deveres depois de quatro anos liderando um país violento e empobrecido. A poucas horas do anúncio, morteiros caíam próximos do palácio presidencial na capital do país, Mogadiscio. Abdullahi Yusuf anunciou sua renúncia ao Parlamento em Baidoa - uma das poucas cidades somalis controladas pelo fraco governo. O líder do Parlamento ocupará o cargo de presidente do país até que sejam realizadas eleições. O governo de Yusuf fracassou em levar segurança à nação destruída pela guerra e agora controla apenas Baidoa e partes de Mogadiscio. O mais agressivo grupo islâmico insurgente, o al-Shabab, teve ganhos territoriais substanciais nos últimos meses e agora controla boa parte do país. Em comunicado, o grupo afirmou nesta manhã que Yusuf está renunciado "com vergonha".Milhares de civis foram mortos ou mutilados por morteiros, tiros e granadas em batalhas quase diárias na Somália. A ONU afirma que o país tem 300 mil crianças subnutridas, mas os ataques e seqüestros de profissionais da entidade forçaram o fechamento de muitos projetos humanitários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.