Presidente sudanês critica proposta de paz dos EUA

Uma resolução dos EUA, que ameaça aplicar sanções contra as autoridades sudanesas se elas não conseguirem acabar com a guerra civil que assola o país, pode encorajar os rebeldes a continuarem com o conflito de 19 anos, afirmou hoje o presidente do Sudão.O presidente, Omar el-Bashir, afirmou que a resolução, conhecida como Ato para a Paz do Sudão, poderia prejudicar um acordo de cessar-fogo alcançado na semana passada entre as autoridades sudanesas e o Exército de Libertação do Povo Sudanês. El-Bashir falou aos repórteres em Genebra, durante intervalo da reunião entre autoridades sudanesas e investidores suíços."O Ato para a Paz do Sudão é na verdade um Ato para a Guerra do Sudão", disse el-Bashir, falando por meio de um intérprete. "O pacto coloca o governo e o Exército da Libertação do Povo Sudanês no mesmo patamar e dá um incentivo aos rebeldes, seja no caso de paz ou de guerra", porque pune apenas o governo.Funcionários dos EUA em Genebra negaram que o Ato para a Paz do Sudão fosse preconceituoso, afirmando que qualquer penalidade aplicada contra o governo sudanês seria retirada se os rebeldes cometessem alguma irregularidade, durante as negociações. O presidente dos EUA, George W. Bush, quer que o Ato para a Paz do Sudão envie uma mensagem para ambos os lados, de que está na hora de conversar, disseram os funcionários.O documento, assinado por Bush na última segunda-feira, traz várias possíveis penalidades contra as autoridades sudanesas se elas negociarem de má-fé durante as conversações para um acordo de paz definitivo. As sanções poderiam incluir o esfriamento das relaçõs diplomáticas, um embargo internacional de armas e tentativas de negar ao governo o uso da renda obtida com o petróleo. O documento também condena as violações de direitos humanos, e sustenta que o governo sudanês usa os alimentos como arma no conflito.Mas também autoriza US$ 300 milhões ao longo dos próximos três anos, a serem empregados nos esforços de paz - dinheiro que o Congresso precisaria autorizar, numa lei em separado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.