Presidente sul-africano vai à Líbia dialogar com Kadafi

Visita de Jacob Zuma ao país é considerada a última tentativa de solução diplomática para crise

BBC Brasil, BBC

30 de maio de 2011 | 12h03

Zuma (esq) ao lado do premiê líbio Al-Baghdadi Ali Al-Mahmudi, na chegada a Trípoli

 

TRÍPOLI - O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, está nesta segunda-feira, 30, na capital da Líbia, Trípoli, para o que muitos comentaristas dizem ser a última tentativa de solução diplomática para o conflito no país do norte da África.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

Um porta-voz do governo sul-africano disse que o objetivo principal da visita é assegurar um cessar-fogo imediato e o trânsito de ajuda humanitária no país.

Não está claro se a visita de Zuma - a segunda à Líbia desde abril - discutirá estratégias para que o líder líbio, Muamar Kadafi, deixe o poder.

No entanto, um alto funcionário do governo líbio disse à BBC que não há chance de Kadafi aceitar isso ou sair do país. Seus simpatizantes dizem que ele pode, inclusive, ser detido por acusações de crimes contra a humanidade se deixar a Líbia.

Pressão

Kadafi, visto em público pela última vez em 11 de maio, não esteve entre os dignatários que receberam Zuma no aeroporto de Trípoli nesta segunda-feira. No domingo, o partido de Zuma condenou as ações militares da Otan contra a Líbia.

 

"Nos juntamos ao resto do continente e a todos os amantes da paz no mundo na condenação dos contínuos bombardeios da Líbia por parte das forças ocidentais", disse o Congresso Nacional Africano (CNA) em um comunicado, após encontro de dois dias.

A África do Sul votou a favor da resolução da ONU que autorizava o uso de força para a proteção de civis líbios, mas desde então tem se mostrado crítica à campanha militar da Otan. A pressão internacional sobre Kadafi vem aumentando. O presidente russo Dmitry Medvedev disse no sábado que ele não tem mais o direito de governar o país. França e Grã-Bretanha disseram nos últimos dias que vão usar equipamentos mais sofisticados nas operações militares.

Rebeldes que controlam a parte leste da Líbia dizem que só aceitariam uma solução negociada que inclua a saída de Kadafi. Um plano de paz proposto pela União Africana em fevereiro foi rejeitado pelos rebeldes e a Otan por não prever que o líder líbio abra mão de seus poderes.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.