EFE
EFE

Presidente sul-coreana vai depor em razão do escândalo de corrupção

Park Geun-hye deve ser chamada para prestar depoimento na quarta-feira, mas informação ainda não foi confirmada

O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2016 | 10h54

SEUL - A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, irá depor perante a acusação de um caso de corrupção e tráfico de influência, que vem provocando uma forte comoção no país e levando milhares de pessoas às ruas para pedir sua renúncia.

Park nomeou nesta terça-feira, 15, o advogado Yoo Yeong-ha, ex-membro do comitê permanente da Comissão Nacional de Direitos Humanos, como seu representante legal para enfrentar o interrogatório dos promotores que previsivelmente acontecerá nesta semana, disse um porta-voz da Casa Azul, sede da presidência.

O advogado da presidente "irá coordenar com os promotores para concordar o dia e a hora" do interrogatório, explicou o porta-voz. Por sua parte, veículos de imprensa locais afirmaram que a acusação planeja chamar Park para depor na quarta-feira, mas a informação ainda não foi confirmada oficialmente.

Se a mandatária comparecer, será o primeiro interrogatório com essas características de um presidente na história democrática da Coreia do Sul.

Nas últimas semanas, a promotoria já havia chamado para prestar depoimento diversos ex-funcionários da Casa Azul, diretores de importantes empresas sul-coreanas, além da mulher de 60 anos que também está no centro do escândalo, sua amiga Choi Soon-sil, que está presa. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.