Presidente sul-coreano cobra de Bush fim oficial da guerra

A Guerra da Coréia nunca foi encerrada oficialmente, mas apenas interrompida por uma trégua em 1953

07 de setembro de 2007 | 10h49

As conversas entre o presidente dos EUA, George W. Bush, e da Coréia do Sul, Roh Moo-hyun, terminaram em clima tenso nesta sexta-feira, 7, por conta não da guerra do Iraque, e sim da Guerra da Coréia - que, oficialmente, não terminou, mas apenas foi interrompida por uma trégua, mais de 50 anos atrás. Roh desafiou-o a declarar o fim do conflito.   O diálogo se deu durante a primeira de uma série de reuniões que Bush manteve com líderes da região do Pacífico.Ele também conversou nesta sexta-feira com o líder russo Vladimir Putin e deverá reunir-se no sábado com lideranças do Japão, Indonésia e Austrália.   Bush disse que, durante a conversa com Roh, havia reafirmado a posição americana de considerar a guerra encerrada apenas quando a Coréia do norte tiver desmantelado seu programa nuclear. O que quer que o intérprete tenha dito a Roh, não foi suficiente.   "Creio não ter ouvido agora o presidente Bush mencionar a... uma declaração do fim da Guerra da Coréia", disse Roh, enquanto a imprensa registrava as declarações.   Bush disse acreditar ter sido claro, mas reafirmou a posição americana. Roh insistiu: "Se você pudesse ser um pouco mais claro em sua mensagem". O presidente dos EUA, dando sinais de irritação, respondeu: "Não posso ser mais claro que isso, senhor presidente. Aguardamos ansiosamente o dia em que poderemos encerrar a Guerra da Coréia. Ela vai acabar... isso acontecerá quando Kim, de forma verificável, livrar-se de  seus programas de armas e de suas armas".   A Casa Branca tratou de minimizar a situação, atribuindo o diálogo a um erro de tradução. "Algo claramente se perdeu na tradução", disse o porta-voz de Segurança Nacional Gordon Johndroe.   Ele lembrou, ainda, que a Guerra da Coréia não foi travada entre EUA e Coréia do Norte, mas entre o Norte e a ONU. Logo, uma declaração unilateral de Bush não teria valor nesse sentido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.