Presidente sul-coreano diz que supostas ameaças à Coréia do Norte são exagero

O presidente sul-coreano disse nesta quarta-feira que as alegações da Coréia do Norte de estar sob ameaça são exageradas ou inexistentes. Esse é um dos raros momentos em que Seul faz críticas diretas ao regime comunista."A Coréia do Norte diz que a razão para desenvolver armas nucleares é para segurança, mas a ameaça de segurança que a Coréia do Norte afirma, ou não existe na realidade, ou é muito exagerada", disse o presidente Roh Moo-hyun, de acordo com o seu gabinete.As afirmações do presidente destoam de seus comentários feitos em 2004, quando disse que as alegações de que o programa nuclear norte-coreano existe como parte de um programa de medidas de autodefesa tinha fundamento. Roh continuou com a política de engajamento iniciada por seu antecessor, Kim Dae-jung, Seul relutante em fazer críticas contra Pyongyang por temer uma ruptura nos esforços de reconciliação. "Se a Coréia do Norte quer paz e segurança em um sentido verdadeiro, armamento pode ser necessário, mas o país deve estabelecer a ordem da paz e da confiança com os seus vizinhos", disse Roh em reunião com assessores em políticas de reconciliação nesta quarta-feira. Ele conclamou o Norte a "fazer uma decisão pelo caminho de garantir a sua própria segurança através de atos de paz e confiança". De todo modo, Roh disse não estar seguro se o Norte realmente exagera nas declarações de ameaça, ou se o país realmente acredita que ela existe. Ele disse que uma Coréia do Norte nuclear "é uma ameaça séria de segurança" para a região, mas enfatizou que a contestação deve ser "em último caso por meio da força". A Coréia do Norte afirmou que realizou o teste nuclear devido ao que chamou de ameaça de guerra dos EUA, e ameaçou com "represálias físicas" contra a crescente pressão norte-americana. Washington já afirmou diversas vezes que não tem a intenção de atacar a Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.