Diego Opatowsk / AFP
Diego Opatowsk / AFP

Presidente sul-coreano termina 2018 com queda na popularidade

Índice ficou abaixo da barreira de 50% no final de novembro, em meio à desaceleração da economia, até alcançar seu nível atual, o pior desde que Moon chegou ao poder, em maio de 2017

EFE, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2018 | 03h12

O índice de popularidade do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, fecha o ano de 2018 em seu nível mais baixo, em meio a uma desaceleração econômica no país e um suposto caso de espionagem a civis por parte do gabinete presidencial.

O apoio a Moon está em 45,9%, de acordo com uma pesquisa da empresa Realmeter e divulgada nesta segunda-feira pela agência de notícias "Yonhap". 

A queda acontece em um momento no qual a Coreia do Sul atravessa uma crise e que foi acentuada pela recente publicação de relatórios sugerindo que um ex-investigador coletou informações de civis enquanto trabalhava para o gabinete presidencial, segundo apontou a empresa responsável pela pesquisa.

A taxa de aprovação de Moon estava acima de 70% na primeira semana de janeiro, quando começou a tomar forma o degelo nas relações entre as duas Coreias, após a conciliadora mensagem de Ano Novo do líder norte-coreano, Kim Jong-un, e alcançou o pico de 77,4% justamente depois da cúpula intercoreana, realizada no dia 27 de abril.

A popularidade do presidente, no entanto, caiu para 53,1% em meados de setembro devido aos sinais de desaceleração econômica no país. As previsões de crescimento econômico da quarta economia da Ásia para este ano foram reduzidas para 2,7%, abaixo dos 3% colocado pelo governo no início do ano.

Embora o índice de popularidade de Moon tenha voltado a subir para 65,3% duas semanas depois, após a terceira cúpula entre Moon e Kim, realizada em Pyongyang, a taxa vem caindo desde outubro.

O índice ficou abaixo da barreira de 50% no final de novembro, em meio à desaceleração da economia, até alcançar seu nível atual, o pior desde que Moon chegou ao poder, em maio de 2017. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.