Presidente tenta faxina

Para melhorar a imagem do Partido Comunista, o presidente Xi Jinping lançou, logo que assumiu, uma campanha de redução da pompa, da formalidade e do desperdício entre governantes. Proibiu até discursos inúteis em reuniões oficiais. No fim do ano passado, a campanha pela frugalidade já havia atingido os gastos com os extravagantes banquetes governamentais, o que provocou queda no faturamento de restaurantes de luxo do país. Esta semana, autoridades chinesas suspenderam a construção de novos prédios governamentais - incluindo as administrações regionais - por cinco anos, em mais um passo na campanha para amenizar o descontentamento da população com relação à corrupção e aos casos de ostentação ligados aos líderes comunistas.

O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2013 | 02h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.