Yasin Bulbul/Presidential Press Service, Pool Photo via AP
Yasin Bulbul/Presidential Press Service, Pool Photo via AP

Presidente turco acusa Alemanha de práticas parecidas com a dos nazistas

Para Recep Tayyip Erdogan, proibição de comícios nos quais membros do seu governo defenderiam sua reforma política não refletem a 'lição de democracia' dos alemães; Angela Merkel diz que decisão não era responsabilidade do governo federal

O Estado de S.Paulo

05 de março de 2017 | 17h01

ANCARA - O presidente turco Recep Tayyip Erdogan afirmou neste domingo, 5, que a decisão da Alemanha de cancelar comícios de seus partidários não é algo muito diferente das "práticas nazistas".

"Suas práticas não são diferentes das dos nazistas", declarou Erdogan em um comício em Istambul a favor do referendo sobre a ampliação de seus poderes. "Acreditava que a Alemanha havia renunciado há tempos (a essas práticas). Nós nos enganamos", acrescentou.

"Os alemães nos dão lição de democracia e depois impedem os ministros desse país (Turquia) de expressá-la", lamentou Erdogan. As relações entre os governos alemão e turco estão cada vez mais em atrito, principalmente desde que a Alemanha cancelou três comícios organizados em seu território que pretendiam apoiar o referendo com o qual o governo turco pretende aumentar os poderes do presidente Erdogan.

A chanceler alemã Angela Merkel explicou que a decisão de autorizar ou não os comícios não era competência do Estado federal e sim dos municípios. Merkel ligou no sábado para o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, para tentar diminuir a tensão, e os chanceleres dos dois países devem se reunir na próxima quarta-feira.

Comunidade. A Alemanha conta com uma grande comunidade turca de três milhões de pessoas implantada desde anos 60, quando o país precisava de mão de obra para a indústria.

O embate entre os governos alemão e turco são constantes desde o falido golpe de Estado ocorrido em julho na Turquia, e alcançaram seu ápice após o encarceramento na segunda-feira passada do correspondente turco-germânico Deniz Yücel, do jornal Die Welt, na Turquia, sob alegação de "propaganda terrorista".

Em seu discurso, Ergodan apresentou Yücel como um "agente alemão" e "representante do PKK", o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, organização considerada "terrorista" por Ancara, assim como a União Europeia (UE) e Estados Unidos. Essa acusação foi classificada de "aberrante" por Berlim.

Outros dirigentes europeus se somaram ao debate. O chanceler austríaco Christian Kern opinou neste domingo que a UE deveria proibir em seu território comícios organizados pelos dirigentes turcos. 

O deputado holandês de extrema direita Geert Wilders também se opôs que o chanceler turco Mevlut Cavusoglu vá a Roterdã para defender o referendo que reforças os poderes de Erdogan. O governo holandês considerou na sexta-feira que é indesejável a realização, em 11 de março, do comício favorável a Erdogan em Roterdã, organizado pelos membros da também importante comunidade turca nessa cidade portuária.

O evento está previsto quatro dias antes de os holandeses votarem nas legislativas do país.

Segundo as últimas pesquisas, o Partido para a Liberdade (PVV) de Wilders está empatado em intenções de voto com o Partido Liberal (VVD) do primeiro-ministro Mark Rutte. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.