REUTERS/Umit Bektas
REUTERS/Umit Bektas

Presidente turco pede 'atuação responsável' de partidos após eleição parlamentar

Recep Tayyip Erdogan defende que todos partidos mantenham 'atmosfera de estabilidade e confiança' no país; seu partido, o AKP, terá 45 dias para formar o novo governo e evitar novas eleições

O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2015 | 13h17

ANCARA - O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, se manifestou nessa segunda-feira, 8, pela primeira vez desde a divulgação dos resultados da eleição de domingo, na qual o partido islâmico Justiça e Desenvolvimento (AKP) perdeu a maioria absoluta do Parlamento e pediu uma atuação "responsável e delicada" de todos os partidos do país.

"A opinião do povo está acima de tudo", disse Erdogan em um curto comunicado enviado para a imprensa, em contraste com as habituais entrevistas que o presidente costuma dar para as emissoras locais. "Acredito que os resultados, que não dão possibilidade para que nenhum partido forme governo sozinho, conduzirão todos os partidos a uma avaliação saudável e realista."

O presidente turco também destacou a alta participação dos eleitores na votação, de cerca de 86% dos que estavam aptos a votar, uma "demonstração do compromisso" do povo turco com a democracia.

"Em um novo processo que começou depois das eleições, é muito importante que todos os partido atuem de forma responsável e delicada para manter a atmosfera de estabilidade e confiança em nosso país", concluiu Erdogan.

Com 40,8% dos votos, o AKP não terá a maioria absoluta para governar sozinho que mantém desde 2002. O resultado também praticamente enterra os planos do partido e de Erdogan de reformar a Constituição do país e adotar o sistema presidencialista.

Novo governo. Erdogan deve reunir-se com o primeiro-ministro, Ahmet Davutoglu, ainda nesta segunda-feira para dar a ele a tarefa de formar um novo governo, mas as possibilidades de ter sucesso são pequenas, de acordo com fontes do próprio AKP.

Segundo colocado na votação, com 25% dos votos, o Partido Republicano do Povo (CHP), já negou a possibilidade de aliar-se ao partido de Erdogan. Restaria, portanto, o Partido Movimento Nacionalista (MHP), terceiro mais votado com 16,4%, mas a chance de um acordo são remotas.

"A possibilidade de formar um governo na atual situação é muito pequena", disse um político do alto escalão do AKP ouvido pela Reuters. "Com estes resultados, eleições antecipadas parecem inevitáveis."

Se Davutoglu não conseguir angariar os grupos necessários para ter maioria no Parlamento e formar um novo governo em até 45 dias, o país terá que convocar novas eleições. / AP, EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaRecep Tayyip Erdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.