Reuters
Reuters

Presidente turco usa Twitter após bloqueio da rede e critica censura

Abdullah Gul condena bloqueio da rede social e dá indícios de afastamento de primeiro-ministro

O Estado de S. Paulo,

21 de março de 2014 | 08h21

ANCARA - O presidente da Turquia, Abdullah Gul, condenou o bloqueio do Twitter, que começou a valer a partir da meia-noite passada no país, e enviou uma série de mensagens pela própria rede social comentando a situação."Não estou de acordo com o fechamento total das plataformas sociais", disse em uma das mensagens, em mais um sinal de distanciamento do governo do primeiro-ministro Recep Erdogan.

"Já ficou claro várias vezes que tecnicamente nem sequer é possível fechar completamente plataformas como o Twitter, que são empregadas no mundo todo", acrescentou afirmou."Espero que esta situação não dure."

O vice-primeiro-ministro Bulent Arinç pareceu não ter se dado conta do fechamento da rede social e enviou uma breve mensagem pelo Twitter, na qual anunciava sua agenda do dia. Além disso, outras autoridades locais também utilizaram a rede social.

A promotoria turca desmentiu seu envolvimento no polêmico fechamento de Twitter. "Nós não tomamos esta decisão. É uma decisão administrativa", afirmou o promotor-chefe de Istambul, Hadi Salihoglu, ao jornal Radikal. A declaração contradiz a informação disponível no site da Autoridade de Telecomunicações turca, que atribui o fechamento a uma decisão da promotoria de Istambul.

Críticas. A União de Colégios de Advogados da Turquia anunciou que estava recorrendo do bloqueio na justiça e que considerava a decisão "contrária ao direito".Uma grande parte dos internautas da Turquia, país que ocupa o 11º lugar do mundo na utilização do Twitter, evitam o bloqueio por meio de ferramentas digitais de anonimato, e a atividade na rede social durante a madrugada foi  mais alta que em dias normais, asseguram alguns usuários.

O cerco à imprensa e às redes sociais na Turquia aumentou depois do vazamento de gravações contra Erdogan, incluindo uma na qual ele sfala para o filho se desfazer de grandes quantidades de dinheiro guardado dentro de casa em meio a uma investigação policial. Erdogan diz que a gravação foi fabricada.  O primeiro-ministro turco prometeu ontem "arrancar pela raiz" o Twitter, em discurso eleitoral realizado na cidade de Bursa, que paradoxalmente teve partidas transmitidas ao vivo de sua conta na rede social, que tem 4,1 milhões de seguidores.   / EFE e AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.