Presidente ucraniano vai estudar extensão de cessar-fogo

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, disse nesta sexta-feira em Bruxelas que vai decidir ainda hoje, após retornar a Kiev, se vai estender o cessar-fogo, inicialmente de uma semana, anunciado por ele sete dias atrás.

Agência Estado

27 de junho de 2014 | 10h20

Ele declarou, porém, que se o atual nível de ataques contra forças ucranianas continuar, será "impossível" que a interrupção das hostilidades "dure" muito mais.

Segundo Poroshenko, Moscou não tem feito "nada" até agora para ajudar a encerrar a violência no leste ucraniano. "Até agora, a Rússia não fez nada" para implementar o cessar-fogo, disse ele.

Várias autoridades da União Europeia disseram esperar que o presidente ucraniano estenda o cessar-fogo até a noite de segunda-feira.

Os líderes da UE emitiram um comunicado nesta sexta-feira dizendo que Rússia e separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia precisam concordar em adotar algumas medidas até segunda-feira.

A UE quer o envio de uma missão de monitoramento e o estabelecimento de um "efetivo controle de fronteira"; a devolução dos postos de verificação para autoridades ucranianas; a libertação de todos os prisioneiros e o lançamento de "negociações substanciais" com base no plano de paz de Poroshenko.

Os líderes da UE disseram que o bloco vai avaliar a situação após segunda-feira e "se necessário, adotar as decisões necessárias". Duas autoridades disseram que tais medidas devem ser a extensão das atuais sanções contra a Rússia, separatistas e empresas. Mas, em seu comunicado, os líderes advertiram a Rússia sobre a possibilidade de sanções setoriais mais amplas.

"O Conselho Europeu destaca seu compromisso em reunir-se novamente a qualquer momento para a adoção de novas medidas significativas", afirmaram os líderes.

Poroshenko reuniu-se com líderes da UE nesta sexta-feira após assinar um amplo acordo político e comercial com o bloco.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiacessar-fogoextensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.