Presidente uruguaio faz mudanças pré-eleitorais em gabinete

O presidente uruguaio, TabaréVázquez, disse nesta segunda-feira estar substituindo metade dogabinete, para que as atividades partidárias dos ministrosantes das eleições gerais de 2009 não "contaminem" o trabalhodo governo. As mudanças podem ter implicações nas conturbadas relaçõesdo Uruguai com a Argentina e em seus laços geralmente amigáveiscom os Estados Unidos. Vázquez substituiu o ministro das Relações Exteriores,Reinaldo Gargano, que foi criticado pela oposição por serecusar a avançar com as negociações comerciais com os EUA enão tomar mais ações para consertar os laços com a Argentina,cujas relações foram afetadas por conta da construção de umafábrica de celulose na fronteira entre os dois países. Gargano será substituído por Gonzalo Fernández, atualsecretário da Presidência, muito próximo a Vazquez e que foichamado no passado para ajudar em conversas com os EUA e aArgentina. "O sistema político do Uruguai está se dirigindo para umafase eleitoral, o que significa que jogadores políticosfundamentais no governo terão afazeres partidários semcontaminar o trabalho do governo", afirmou Vazquez arepórteres. Do total de 13 ministros, Vazquez mudou Defesa, Educação,Habitação e Meio-Ambiente, Agricultura e Pecuária, Indústria,assim como Relações Exteriores. Os novos ministros tomam posseem 1o de março. A imprensa local tem relatado que o ministro da Economia,Danilo Astori, pode deixar o cargo na metade do ano paraconcorrer à Presidência.(Reportagem de Conrado Hornos)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.