Presidentes da Alba lançam 'moeda' regional para enfrentar crise

Reunidos na Venezuela, líderes aprovam criação do Sucre, uma medida de compensação comercial virtual.

Claudia Jardim, BBC

17 de abril de 2009 | 02h06

Os presidentes da Alba (Alternativa Bolivariana para as Américas) firmaram um acordo nesta quinta-feira para a criação de uma moeda de compensação regional para o comércio, que pretende driblar as transações financeiras feitas em dólar e estimular as exportações entre os países.

O Sucre (Sistema Único de Compensação Regional) pretende ser uma alternativa regional à crise econômica internacional.

Durante a Cúpula Extraordinária da Alba, realizada em Cumaná, Estado de Sucre, norte da Venezuela, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse que a América Latina não pode esperar uma "fórmula mágica do Norte (Estados Unidos)" para solucionar a crise.

O Sucre "nos permitirá sair da ditadura do dólar que nos impuseram", disse Chávez, durante a reunião do bloco.O sistema, que poderá ser expandido aos demais países latino-americanos, será inicialmente um mecanismo virtual de comércio, podendo ser convertido em uma moeda física no futuro, segundo Chávez.

Além da Venezuela, firmaram o acordo os presidentes da Bolívia, Evo Morales; de Cuba, Raúl Castro; do Paraguai, Fernando Lugo; da Nicarágua, Daniel Ortega; de Honduras, Manuel Zelaya, e os premiês de Dominica, Roosevelt Skerrit, e de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves.Apesar de não pertencer à Alba, o Equador também participará do sistema regional.

Comércio

A implantação do Sucre funcionará com uma Câmara de Compensação de Pagamentos, uma unidade de conta comum e um Conselho Monetário, que estará encarregado de designar uma quantidade de "sucres", ainda indeterminada, aos países-membros.

Chávez anunciou que o sistema também contará com um Fundo de Reserva, que será destinado ao financiamento de projetos de produção para estimular as exportações entre os países.

O valor inicial que será injetado no Fundo de Reserva ainda está sendo negociado, informou à BBC Brasil um negociador venezuelano."Não nos faz falta o dinheiro gringo, nós temos como solucionar nossos problemas e sabemos como fazê-lo", afirmou o presidente venezuelano.

O sistema da moeda regional começará a ser implementado em "fase experimental" a partir do terceiro trimestre deste ano, e deverá entrar em vigor em janeiro de 2010."Ninguém escapa da crise"

Nesta quinta-feira, Chávez voltou a criticar a decisão do G20 de destinar US$1 trilhão ao Fundo Monetário Internacional como medida para conter a crise financeira internacional.

"Dar ao FMI a importância que se está dando agora, depois da Cúpula do G20, ao injetar milhões e milhões de dólares, é como pedir a um incendiário que apague um incêndio", afirmou.O presidente cubano, Raúl Castro, também criticou o G20, ao considerar que a solução adotada pelo grupo não resolve "a insustentabilidade do sistema capitalista".

"Essa é uma crise da qual ninguém escapa (...) não temos outra opção a não ser nos unirmos para enfrentá-la", afirmou Raúl Castro.

A idéia de criação da moeda regional surgiu em novembro do ano passado, quando os presidentes da Alba se reuniram em Caracas para analisar o impacto da crise financeira na região.

O Sucre leva o nome da antiga moeda do Equador, que foi substituída pelo dólar em 2002, e do prócer da independência da América do Sul hispânica, Antonio José de Sucre.

"Fim do bloqueio"

A Cúpula da Alba aconteceu um dia antes do início da 5 Cúpula das Américas, que começa nesta sexta-feira, em Trinidad e Tobago.

No primeiro encontro do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com líderes da América Latina, os presidentes da Alba defenderão a inclusão de Cuba no sistema interamericano e o fim do bloqueio norte-americano à ilha.

"Se o Obama quer o apoio de todo mundo, terá que levantar o bloqueio à Cuba", afirmou Evo Morales.Chávez, por sua vez, antecipou que vetará a declaração final da Cúpula das Américas.

"O documento que pretendem que se aprove é uma retórica e uma falta de respeito ao momento que estamos vivendo", afirmou.

Leia também na BBC Brasil: Chávez diz que vetará declaração final da Cúpula das Américas BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.