Preso foge em Portugal e passa 16 anos em cavernas

Um homem condenado por assassinato fugiu da prisão e passou 16 anos escondendo-se em cavernas ao redor de sua vila, no norte de Portugal. Ao ser recapturado ontem, ele tinha a aparência de "Robinson Crusoe", segundo a polícia. Manuel Cruz, de 54 anos, tinha a pele bastante queimada e um longa barba quando foi detido nas encostas onde ele antes trabalhava como pastor, disse o inspetor Carlos Gomes à "Associated Press". Ele foi levado de volta para prisão na cidade de Braga para cumprir sete anos e meio restantes de sua pena.

AE-AP, Agencia Estado

30 de julho de 2009 | 18h28

Cruz tinha uma arma, mas não atirou na polícia, que se aproximou a pé, segundo Gomes. "Sua reação inicial foi muito agressiva, mas ele ficou calmo depois que o capturamos", afirmou. Cruz estava cumprindo uma sentença de dez anos de prisão por assassinato quando fugiu durante um indulto em 1993. Ele foi condenado porque durante uma discussão sobre cabras com uma mulher da vila ele a empurrou e ela bateu a cabeça no chão e morreu.

A vila tem uma população de 312 pessoas, segundo o site do conselho local. Familiares e a população local forneciam comida ao fugitivo e ele tinha um cachorro que o alertava quando as pessoas se aproximavam, disse Ramalho Cruz em entrevista pelo telefone. "Ele era uma pessoa quieta, não machucaria ninguém. As pessoas gostavam dele", afirmou. "Ele dizia às pessoas que tinha medo da prisão e não voltaria para lá".

Tudo o que sabemos sobre:
Portugalfugitivocaverna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.