REUTERS/Françoi Mori/Pool
REUTERS/Françoi Mori/Pool

Polícia prende homem que ameaçou matar Macron e atacar minorias

Suspeito já havia sido condenado em 2016 por apologia ao terrorismo e tentava comprar uma arma pela internet para promover um ataque contra o presidente da França no desfile de 14 de julho

O Estado de S.Paulo

03 Julho 2017 | 06h55
Atualizado 03 Julho 2017 | 08h17

PARIS - A polícia anunciou a detenção de um homem de 23 anos que havia ameaçado matar o presidente da França, Emmanuel Macron, durante o tradicional desfile de 14 de julho, anunciou uma fonte judicial nesta segunda-feira, 3.

O suspeito foi preso no sábado, segundo a fonte, que confirmou uma informação da imprensa francesa. O detido, que já havia sido condenado por apologia ao terrorismo, se define como "nacionalista" e tentava comprar uma arma pela internet para atacar Macron.

Durante a detenção, o homem afirmou que também desejava atacar "muçulmanos, judeus, negros e homossexuais", segundo uma fonte próxima à investigação.

Ele disse que pretendia matar o presidente francês durante o tradicional desfile militar de 14 de julho, na avenida Champs-Elysées, em Paris, para o qual está convidado o presidente americano, Donald Trump.

O suspeito foi localizado em um fórum de jogos eletrônicos na internet, no qual deixou mensagens para comprar uma arma de fogo. Vários internautas o acusaram, o que permitiu sua detenção.

Em seu carro foram encontradas três facas de cozinha e a análise de seu computador revelou buscas na internet sobre possíveis alvos, indicou a mesma fonte.

O detido foi condenado em 2016 a três anos de prisão - 18 meses em condicional - por ódio racial e apologia do terrorismo ao elogiar os atos de de Anders Behring Breivik, o autor do atentado de 22 de julho de 2011 na Noruega, no qual morreram 77 pessoas. / AFP

Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
PARIS Emmanuel Macron França Terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.