Preso político cubano é libertado após cumprir sentença

O doutor Oscar Elías Biscet, um dos prisioneiros políticos mais conhecidos de Cuba, foi libertado nesta quinta-feira, após permanecer detido durante três anos, por colocar de cabeça para baixo três bandeiras cubanas durante um ato de desobediência civil. Um membro da família do dissidente que falou com a esposa de Biscet, Lesa Moreno, confirmou que ele deixou a prisão de Cuba Sí, na província oriental de Holguín, duas horas antes do horário previsto, e que o casal se dirigia para sua casa em Havana, onde era aguardado no final da tarde. Biscet foi detido em novmebro de 1999 por desonrar os símbolos pátrios, provocar desordem pública e instigar à delinqüência, por colocar as três bandeiras de seu país de cabeça para baixo como forma de protesto. Foi sentenciado em fevereiro de 2000 a três anos de prisão. A sentença máxima prevista para tal acusação é de sete anos.Antes de ser detido, ele havia liderado, em meados de 1999, uma greve de fome - durante a qual ingeriu apenas líquidos e que se prolongou por 40 dias - em protesto contra a situação dos prisioneiros políticos do país. Nem ele nem seus companheiros de greve sofreram represálias, na ocasião.A greve atraiu atenção internacional, uma vez que o governo cubano sustenta não ter prisioneiros políticos, apenas criminosos comuns, e geralmente chama os dissidentes de "contra-revolucionários".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.