Preso suspeito de envolvimento em atentado no Líbano

As forças de segurança libanesas prenderam neste sábado um suspeito de ligação com o duplo atentado realizado no dia anterior, que matou pelo menos 47 pessoas no norte da cidade de Trípoli, segundo a agência de notícias estatal.

Agência Estado

24 de agosto de 2013 | 15h45

A Agência Nacional de Notícias identificou o suspeito como sendo Ahmad al-Ghareeb, e disse que a polícia o levou em custódia de sua casa, na região de Miniyeh, fora de Trípoli. Ghareeb aparece em um vídeo de vigilância no local de uma das explosões.

As explosões coordenadas realizadas na sexta-feira ao lado de duas mesquitas em Trípoli, em uma região predominantemente sunita da cidade, levantou as tensões sectárias, aumentando os temores de que o país poderia estar entrando em um ciclo de ataques de vingança entre as duas comunidades, xiitas e sunitas.

Para muitos libaneses, os atentados também foram vistos como a mais recente evidência de que a sangrenta guerra civil síria, com seus tons sectários, está cada vez mais atraindo o seu vizinho menor.

Policiais libaneses disseram neste sábado que 47 pessoas foram mortas e mais de 500 ficaram feridas no ataque. Cerca de 300 pessoas ainda estavam nos hospitais, sendo 65 delas em estado crítico.

Em Trípoli, civis armados montaram postos de controle no sábado perto das mesquitas, enquanto as forças de segurança libanesas patrulhavam as ruas.

Embora não tenha havido nenhuma reivindicação de responsabilidade pelos ataques, muitos tentam vinculá-los à guerra civil na Síria, onde uma insurgência sunita luta para derrubar um regime dominado pela seita alauíta, do presidente Bashar Assad, uma ramificação do islamismo xiita.

O Hezbollah declarou abertamente que seus guerrilheiros estão lutando ao lado de Assad contra os rebeldes sírios, que apreciam a simpatia e o apoio de muitos na comunidade sunita do Líbano. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Líbanoatentadoprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.