Presos 11 responsáveis pela segurança de Bagdá

Um dia após a onda de atentados que matou 95 pessoas em Bagdá, o governo do Iraque prendeu ontem 11 policiais e soldados, acusados de negligência. Eles eram responsáveis por supervisionar a segurança, o tráfego e os serviços de inteligência na capital. Os funcionários foram detidos após uma investigação preliminar sobre as falhas que permitiram que um caminhão carregado de explosivos transitasse no centro de Bagdá, mesmo com todos os postos de controle e as restrições.Na quarta-feira, dois caminhões-bomba foram detonados perto de prédios do governo ao lado da fortificada Zona Verde. Outros quatro ataques, com bombas e disparos de morteiro, atingiram outros bairros de Bagdá. No total, mais de 500 pessoas ficaram feridas. Com medidas de segurança intensificadas, Bagdá viveu ontem um dia semelhante aos do auge da guerra, com ruas tomadas por funerais e hospitais mergulhados no caos. "Nunca vi nada igual. É a primeira vez que vejo tantos feridos", disse à BBC a médica Tara Barki. Após a carnificina, o premiê Nuri al-Maliki pediu uma revisão das estratégias para lidar com o terrorismo. A primeira medida foi suspender a retirada de barreiras contra ataques na capital. Os atentados colocaram em xeque a capacidade das forças de segurança iraquianas, após a retirada parcial dos soldados americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.