Presos 2 diretores de revistas argelinas por charges de Maomé

Os diretores de duas publicações argelinas, as revistas Esafir e Panorama, foram presos no sábado por ter publicado algumas das caricaturas de Maomé que surgiram na imprensa européia, informaram hoje suas respectivas redações.Os dois jornalistas - Berkan Buderbala, diretor da "Esafir", e Kamel Busad, principal responsável da "Panorama" - justificaram sua decisão pela intenção de permitir que seus leitores conhecessem os motivos das reações da comunidade muçulmana em relação às charges. Este esclarecimento não convenceu os juízes que ordenaram a prisão preventiva em um centro de detenção da capital argelina, à espera do processo por um crime que, por enquanto, não foi tipificado juridicamente. Os dois jornalistas poderiam ser condenados a até cinco anos de prisão, disseram hoje seus advogados. Um dos advogados de defesa desmentiu que o crime não esteja tipificado juridicamente, em referencia a um dos artigos do Código Penal vigente na Argélia. O artigo 144 estipula que "será castigado a uma pena de três a cinco anos de prisão toda pessoa que ofenda o Profeta e os enviados de Deus, ou denigra o dogma ou os preceitos do Islã".A Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) com base em Bruxelas pediu a absolvição dos dois jornalistas, e lembra a respeito da publicação das caricaturas que "o debate deve ser levado pelos meios de comunicação, e não pelos Governos". Na Argélia, até agora, nenhum meio de comunicação criticou a detenção dos dois jornalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.