Presos 22 acusados por contaminação de leite na China

Segundo a mídia estatal, detidos produziam e adicionavam melamina ao leite; pelo menos 4 bebês morreram

AE/AP e Efe, Agencia Estado

29 de setembro de 2008 | 10h49

A polícia da China percorreu fazendas do setor de laticínios e outras empresas do setor e prendeu 22 pessoas acusadas de envolvimento no escândalo do leite no país. Segundo a mídia estatal, os detidos são acusados de participar de uma rede que produzia, vendia e adicionava o produto químico melamina ao leite. Pelo menos quatro bebês morreram e mais de 54 mil crianças adoeceram por causa da contaminação.A polícia na província de Hebei apreendeu mais de 200 quilos de melamina durante as operações, informou a agência estatal Nova China. Segundo as autoridades, o componente era produzido em instalações clandestinas e vendido a fazendas de criação de gado e empresas de beneficiamento. Segundo a agência, 19 dos 22 detidos eram gerentes do setor. Não foi informado o local das prisões.Segundo as autoridades, a melamina era acrescentada para fraudar testes de níveis de proteína. Com isso, era acrescentada água ao leite, que assim rendia mais. Porém a melamina pode até matar, caso seja consumida em grandes quantidades.O escândalo veio à tona neste mês, quando autoridades informaram que o leite em pó da empresa Sanlu estava causando pedras nos rins em bebês. Testes revelaram a contaminação por melamina em diversos produtos que levam leite em sua fórmula, como doces e iogurtes. Vários países restringiram ou proibiram produtos chineses que contenham leite. Mianmar juntou-se hoje ao grupo e proibiu produtos lácteos chineses de entrarem no país.Nesta segunda-feira, 29, a britânica Cadbury informou que testes haviam levantado "dúvidas" sobre a segurança de produtos da empresa feitos na China. Por isso seria realizado um recall dos produtos suspeitos.   Também nesta segunda-feira, 29, a empresa neozelandesa Tatua Cooperative Dairy Company, uma das principais produtoras da proteína lactoferrina, anunciou a suspensão de suas exportações após descobrir a presença de melamina em seu produto.   A companhia, em colaboração com a Autoridade de Segurança Alimentar da Nova Zelândia, abriu uma investigação para determinar como aconteceu a contaminação.   A dúvida é se foi na rede de produção, através da alimentação do gado, ou com uso de inseticida nos gramados.   O leite adulterado com melamina matou quatro crianças e intoxicou cerca de 50 mil na China, que alertou aos abastecedores na Nova Zelândia.   O diretor-executivo da Tatua, Paul McGilvary, assegurou que a quantidade de melamina descoberta não supõe um perigo para a saúde.   A fábrica de Tatua obtém uma tonelada de lactoferrina do processamento de 10 mil toneladas de leite.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaleitecontaminação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.