Presos 50 suspeitos de atentados no Iraque; mortos são 67

Autoridades iraquianas anunciam a detenção de 50 suspeitos ligados às explosões ocorridas na cidade sagrada de Najaf e na cidade próxima de Kerbala, que causaram a morte de pelo menos 67 pessoas e deixaram mais de 100 feridos. Milhares acompanham o funeral das vítimas. O chefe de polícia da Najaf, Ghalib al-Jazaari, disse que entre os detidos há "elementos" que confessaram ligações com serviços de espionagem da Síria e do Irã.Carros-bomba explodiram ontem num funeral em Najaf e num ponto de ônibus de Kerbala. Os mortos em Najaf são pelo menos 54; em Kerbala, 13. Ao mesmo tempo, o chefe da comissão encarregada de organizar as eleições nacionais previstas para 30 de janeiro pediram que as forças de segurança protejam os funcionários eleitorais. Três foram mortos a tiros por guerrilheiros que atuam livremente em Bagdá. O principal líder xiita do Iraque, grão-aiatolá Ali al-Sistani, disse que votar em janeiro é um dever sagrado para os xiitas.Em Najaf, autoridades proibiram a circulação de automóveis no centro da cidade, onde fica a mesquita do Imã Ali, santuário reverenciado pelos muçulmanos xiitas, para evitar novos atentados com carros-bomba, informa o governador Adnan al-Zurufi. O governador disse ainda que o aiatolá Al-Sistani, que vive a poucas centenas de metros do santuário, é um "possível alvo, mas estamos agindo para protegê-lo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.