Presos militantes da Al-Qaeda que planejavam atentados

Fontes militares americanas no Afeganistão informaram hoje ter capturado militantes islâmicos que tinham "planejado viajar para os EUA para assassinar cidadãos americanos". Foi o que informou hoje a rede CNN, citando dados recolhidos pelos serviços de inteligência em seus interrogatórios, segundo os quais se tratam de combatentes da Al-Qaeda detidos, que tinham planos de cometer novos atentados em território americano. "Alguns dos ataques programados não chegaram a ser concretizados por várias razões - uma delas os atentados de 11de setembro e a campanha contra o terrorismo lançada pelo governo Goerge W. Bush", afirmou um fonte. A maior parte dos interrogatórios são realizados na base aérea de Bagram, ao norte de Cabul, onde ainda há cerca de 50 detidos. Recentemente, foi transferido para Bagram Ibn al Shayk alLibi, o líder líbio da Al-Qaeda, considerado o chefe dos campos de adestramento dos terroristas. Algumas fontes afirmam que também está confinado na base de Bagram o mulá Abdul Salam Zaif, ex-embaixador dos talebans no Paquistão. Por sua vez, o governo interino afegão, através de um alto funcionário de seu ministério de Defesa, informou à agência Associated Press que, apesar de já ter concordado em retirar todas as unidades militares de Cabul, decidiu que irá reter 1.500 homens armados na capital afegã. Os 1.500 soldados serão colocados em bases em torno da cidade e não lhes será permitido circular armados dentro dela. O motivo, disse Saleh Mohammad Regestani, é o temor não apenas de ações terroristas, mas de um aumento da delinqüência. "Os 1.500 soldados permanecerão até que a polícia assuma o controle completo" da cidade, acrescentou Regestani. Célula terrorista é descoberta em cidade pacífica Em Cingapura, o primeiro-ministro, Goh Chok Tong, disse que a Ásia deve enfrentar "firme e rapidamente" as ameaças da rede Al-Qaeda na região, após a pacífica cidade-Estado ser abalada pela notícia do descobrimento de uma célula terrorista vinculada à rede de Osama bin Laden. "Os ataques de 11 de setembro revelaram a magnitude da rede Al-Qaeda e sua penetração na região", disse Goh, durante um jantar em sua homenagem oferecido pelo primeiro-ministro japonês Junichiro Koizumi. As autoridades prenderam no mês passado em Cingapura 15 supostos membros do grupo secreto Jemaah Islamiya, acusado de planejar a colocação de bombas em embaixadas ocidentais, navios da Marinha americana e outros objetivos no país. Desde 9 de dezembro, a polícia da vizinha Malásia capturou 15 suspeitos de serem membros de um grupo militante vinculado à Al-Qaeda. Os suspeitos em ambos os países estão sendo mantidos sob custódia segundo as leis de segurança locais, que permitem a detenção sem processo judicial. Leia o especial

Agencia Estado,

13 Janeiro 2002 | 16h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.