Presos três acusados de matar policiais mexicanos com gasolina

Seiscentos agentes da polícia federal mexicana com jaquetas a prova de bala e armas automáticas, apoiados por 300 guardas municipais, realizaram uma grande operação ao anoitecer de quarta-feira, no povoado de San Juan Ixtayopan, onde no dia anterior dois policias federais, em trajes civis, foram queimados ainda em vida por uma multidão.Na blitz, 23 suspeitos do massacre foram presos. Pelo menos três dos detidos tiveram ativa participação na chacina, segundo a polícia mexicana. Os agentes, que participavam de uma ação contra o narcotráfico, tiravam fotos em frente a uma escola do povoado, onde várias crianças haviam sido seqüestradas. A população pensou que eram os seqüestradores e, enfurecida, linchou os agentes e, em seguida, incendiou os corpos deles com gasolina. ?Existe um ambiente de anarquia nesta região. Falta uma atuação de ordem e autoridade do governo?, afirmou à imprensa o secretário federal de Segurança Pública, Ramón Martín Huerta. Um terceiro agente que também foi linchado está em estado grave, mas tem chances de sobreviver, dizem os médicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.