Pressão americana mantém a calma na Caxemira

Houve calma durante toda a noite na fronteira entre Índia e Paquistão. Os dois países, que contam com armas nucleares, enviaram soldados, tanques e artilharia para a região da Caxemira. A tensão entre os dois países cresceu após um atentado suicida ocorrido em 13 de dezembro contra o parlamento da Índia em Nova Deli. Extremistas islâmicos no Paquistão estão recuando diante da crescente pressão dos Estados Unidos sobre o governo de Islamabad. Mesmo assim, a Índia adverte que não irá retirar os soldados da fronteira.O governo da Índia acusa Islamabad de apoiar grupos guerrilheiros extremistas islâmicos na Caxemira, através de financiamento e fornecimento de armas. Islamabad assegura que apenas oferece ?respaldo ideológico?.O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, conversou com o presidente do Paquistão, o general Pervez Musharraf, e pediu ?medidas adicionais, fortes e decisivas para eliminar os terroristas que querem provocar uma guerra entre Paquistão e Índia, e desestabilizar a coalizão internacional contra o terrorismo?, de acordo com o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan.Bush também conversou com o primeiro ministro da Índia, Atal Bihari Vajpayee, e reforçou o apoio norte-americano no combate ao terrorismo. Em Nova Deli, Vajpayee se reuniu com dirigentes de 11 partidos políticos, sendo 8 de oposição, para consolidar um consenso político sobre a questão.As duas nações asseguram que não existe possibilidade de uma guerra nuclear.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.