Pressão para fim de programa nuclear é ilegal, diz Irã

O governo iraniano disse nesta segunda-feira, 26, que a pressão internacional para que o país suspenda suas atividades de enriquecimento de urânio é ilegal. Em contrapartida, o governo britânico advertiu o Irã sobre sua decisão de ignorar as exigências do Ocidente."Suspender o enriquecimento de urânio como uma condição para que se negocie é uma exigência ilegal e ilógica", disse o porta-voz do governo iraniano, Gholamhossein Elham. "Isso está em contradição com a dignidade da nação iraniana."Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Rússia, Reino Unido, França e China - e a Alemanha estão reunidos nesta segunda, em Londres, para discutir os planos nucleares iranianos e debater possíveis sanções ao país.De acordo com um porta-voz do governo britânico, trata-se de uma reunião preliminar, na qual serão discutidos os próximos passos do Ocidente em relação ao governo iraniano. "O Irã não deveria encarar as conversas como uma fraqueza na adoção de uma solução", disse a fonte.´Trem sem freio´O alto representante da União Européia para Política Externa e Segurança, Javier Solana, disse que "não é inteligente ter um trem sem freio", em reposta às recentes declarações do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.No domingo, 25, Ahmadinejad reafirmou que o Irã não abandonará seu programa e ressaltou que "o trem do desenvolvimento nuclear não tem ferio nem marcha à ré"."Os freios são sempre um instrumento útil na vida", afirmouSolana, que participou nesta segunda de uma reunião conjunta entre a União Européia e a Otan. Ele não quis dizer, no entanto, se concorda com a ampliação das sanções da ONU ao Irã.Na quinta-feira, 22, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgou um relatório apontando que o Irã não suspendeu seu programa nuclear, conforme havia exigido a ONU, em dezembro de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.