AFP PHOTO / PASCAL GUYOT
AFP PHOTO / PASCAL GUYOT

Pressionado, Fillon diz que seu plano é única esperança para recuperação da França

Antes líder da disputa, campanha do conservador tem enfrentado problemas desde que ele descobriu que pode ser investigado formalmente por mau uso de dinheiro público

O Estado de S. Paulo

04 de março de 2017 | 18h39

AUBERVILLIERS, FRANÇA - O conservador François Fillon, cuja candidatura à presidência da França enfrenta dificuldades, defendeu, neste sábado, 4, que seus planos políticos são os únicos confiáveis para o futuro do país e prometeu manter-se na corrida eleitoral, um dia antes de um comício em Paris para demonstrar a força do seu apoio.

Antes líder da disputa, Fillon foi atingido por um escândalo sobre pagamentos a sua esposa, e sua campanha tem enfrentado sérios problemas desde que ele descobriu, esta semana, que pode ser investigado formalmente pelo mau uso de dinheiro público.

Depois de uma série de renúncias de conselheiros e apoiadores, o ex-primeiro-ministro de 63 anos confia em um comício em Paris, no domingo, para mostrar aos detratores que continua sendo a melhor esperança para conquistar a Presidência.

"Tijolo por tijolo, eu preparei um programa ambicioso, o único, na minha visão, que pode restaurar a vitalidade da França", disse, em um comício ao norte de Paris, delineando sua visão para o país.

O comitê político do partido Republicanos vai se reunir na segunda-feira para discutir a situação de Fillon, informou o partido, em um comunicado, neste sábado.

Pesquisa. Mais de dois terços dos eleitores franceses querem que Fillon desista de sua candidatura. De acordo com uma pesquisa do Ifop para o semanal Journal du Dimanche, 71% dos entrevistados preferem que o ex-primeiro-ministro saia da corrida presidencial. Em comparação com uma pesquisa realizada no dia 19 de fevereiro, o número de eleitores contrários à candidatura de Fillon aumentou em seis pontos percentuais. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
FRANÇAFrançois FillonParis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.