LEONARDO MUÑOZ/EFE
LEONARDO MUÑOZ/EFE

Prestes a deixar presidência, Raúl Castro é eleito deputado com 98% dos votos

Resultado foi o melhor do país nas eleições gerais do dia 11; o atual presidente continuará sendo líder do Partido Comunista de Cuba quando deixar o cargo

O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 16h39

HAVANA - O presidente de Cuba, Raúl Castro, foi eleito deputado com 98,77% dos votos do município de Segundo Frente, em Santiago de Cuba, o melhor resultado do país nas eleições gerais realizadas no dia 11 de março.

+ Raúl deixará poder com avanço no setor privado, mas reformas paradas

O irmão de Fidel Castro deixará a presidência do país no próximo mês, mas não se aposentará da política. Além da vitória no pleito, Raúl seguirá como líder do Partido Comunista de Cuba, responsável por controlar a estrutura de poder no país, até 2021.

Raúl superou em muito o segundo mais votado nas eleições gerais. O primeiro vice-presidente do país, Miguel Díaz-Canel, de 57 anos, foi eleito deputado em Santa Clara, sua cidade natal, no centro da ilha, com 92,85%. Na região ele é lembrado como um político competente e próximo desde quando ocupava o cargo de primeiro-secretário provincial do Partido Comunista de Cuba, entre 1994 e 2003.

Díaz-Canel, escolhido por Rául como vice-presidente do governo em 2013, é, para muitos analistas e observadores, o favorito para assumir a presidência no próximo dia 19 de abril, quando os novos deputados assumirão seus mandatos e escolherão o próximo líder.

+ Prisão de dissidentes em Cuba caiu 48% em 2017

A participação nas eleições gerais para escolher os 605 deputados da Assembleia Nacional foi de 85,65%. Segundo o governo de Cuba, apenas 4,32% foram brancos e 1,26% nulos.

Vários representantes históricos da Revolução Cubana foram eleitos com mais de 90% dos votos. O segundo-secretário do Partido Comunista Cubano, José Ramón Machado Ventura, de 87 anos, recebeu 92,86% dos votos em Guantánamo. O comandante Ramiro Valdés, de 85 anos, recebeu 90,7% dos votos em sua cidade natal, Artemísia.

Por outro lado, Mercedes López de Acea, que não pertence à geração histórica, conseguiu 91,36% em sua região. Considerada como uma das políticas que deve manter papel relevante no novo governo cubano, ela é primeira-secretária do Partido Comunista em Havana e vice-presidente do Conselho de Estado.

O atual ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, foi eleito com 81,9% dos votos, um resultado um pouco pior do que o objetivo estabelecido pelo presidente da Assembleia Nacional, Esteban Lazo. Outros membros do governo de Raúl Castro também estarão no Parlamento, como os ministros das Forças Armadas Revolucionárias, Leopoldo Cintra Frías, e o de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro, Rodrigo Malmierca.

Mariano Murillo, ex-ministro de Economia, conhecido como o "czar das reformas", ficou com 79,9% dos votos do distrito da Praça da Revolução, em Havana. Na mesma zona, a filha do presidente Raúl Castro, a sexóloga e diretora do Centro Nacional de Educação Sexual, Mariela Castro, recebeu 83,9% dos votos. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Cuba [América Central] Raul Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.