Scott Audette/Reuters
Scott Audette/Reuters

Prevenção do HPV divide republicanos nos EUA

Ala conservadora do partido ataca Rick Perry por adotar no Texas uma vacina obrigatória para meninas; Tea Party vê estímulo à promiscuidade

, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2011 | 00h00

NOVA YORK

Um tema inesperado - se meninas pré-adolescentes devem ser vacinadas contra um vírus sexualmente transmissível -, tornou-se o mais recente motivo para um veemente debate entre os candidatos republicanos à indicação do partido para presidente na sua disputa pelo apoio de membros conservadores religiosos e do Tea Party.

O assunto surgiu na noite de segunda-feira, quando a parlamentar Michele Bachman e o ex-senador Rick Santorum atacaram o governador do Texas, Rick Perry, durante um debate envolvendo a uma medida do Texas exigindo que as meninas do sexto ano sejam vacinadas contra o papilomavírus humano. Eles criticaram a medida, entendendo que ela ultrapassa o poder do Estado numa decisão que deve ser deixada para os pais. Posteriormente, Sarah Palin, que ainda deve anunciar suas intenções para 2012, também criticou o governador Rick Perry.

A questão envolve vários aspectos que deixam em polvorosa os conservadores: o excesso de poder do governo em decisões relativas à saúde, a suspeita de que a educação sexual leva à promiscuidade e mesmo a crença - já derrubada pela ciência - de que a vacinação infantil pode estar ligada a doenças mentais.

Anteontem, a deputada Michele Bachmann, de Minnesota, colocou em pauta a preocupação, sugerindo que Perry colocou as meninas em risco ao obrigá-las a "uma injeção do que pode, potencialmente, ser uma droga muito perigosa".

O foco na decisão do governador Perry sobre o assunto colocou-o numa posição defensiva durante um debate, pela segunda semana consecutiva, desta vez envolvendo seu eleitorado principal, que são os partidários do Tea Party.

"É uma grande tempestade em torno do assunto", disse Craig Robinson, ex-diretor político do Partido Republicano de Iowa, observando que Perry, que lidera as pesquisas, está sendo atacado pela própria direita. "Você pode dizer que esses golpes conseguiram seu objetivo e o afetaram." / THE NEW YORK TIMES

PARA ENTENDER

O papilomavírus humano (HPV) está relacionado a mais de 99% dos casos de câncer do colo de útero, o terceiro tipo mais comum em mulheres (atrás dos de mama e de pele). No homem, está associado ao câncer no pênis. A evolução do HPV no organismo costuma ser silenciosa, o que aumenta o risco de contágio sexual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.