EFE
EFE

Primárias marcam retorno de Cristina à política argentina

Analistas veem a desestruturação dos partidos tradicionais e um personalismo cada vez mais forte dos políticos argentinos como as principais características da disputa

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2017 | 05h00

A Argentina define nas primárias de hoje os candidatos de vários partidos às 24 vagas no Senado e 127 na Câmara que serão disputadas nas eleições legislativas de outubro. Analistas veem a desestruturação dos partidos tradicionais e um personalismo cada vez mais forte dos políticos argentinos como as principais características da disputa.

O duelo com mais destaque ocorre na província de Buenos Aires, onde a ex-presidente Cristina Kirchner se apresenta como candidata ao Senado pela frente Unidad Ciudadana e o ex-ministro da Educação do presidente Mauricio Macri, Esteban Bullrich, se apresenta como o nome do Mudemos. A porcentagem de votos que cada um obtiver sinalizará tendência para outubro. As pesquisas dão uma ligeira vantagem à ex-presidente na disputa: 36% a 32%.

Após a derrota de seu herdeiro político, Daniel Scioli, nas eleições de 2015, Cristina dedicou-se a reconstruir sua base política. Abalada por escândalos de corrupção, ela criou sua nova coalizão, a Unidade Cidadã, para substituir a desgastada Frente para a Vitória, construída ao longo de 12 anos de kirchnerismo. Ao reunir os partidos para essa nova base, Cristina deixou de lado o tradicional Partido Justicialista (peronista) que lançará a candidatura ao senado do ex-ministro Florencio Randazzo.

“Cristina rompeu com o Partido Justicialista, provocando uma fragmentação que favorece Macri”, avalia o analista Sergio Berenzstein. “Muitos governadores que a apoiavam agora estão com o presidente. ”

Pelo lado do governo, o macrismo vê a eleição como uma oportunidade de respaldo à sua política pró-mercado e de controle da inflação. No cargo, ele adotou medidas duras, como a retirada de subsídios a tarifas públicas de luz e gás, mas conserva uma popularidade em torno de 43%. 

“A política está se reconfigurando com novos partidos e a decisão de Cristina de romper com o PJ desidratou o peronismo”, disse o analista Carlos de Angelis. “Desapareceu a ideia dos partidos fixos e há uma base mais personalista.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.