Primeira-dama do México diz que vai vender mansão

Primeira-dama do México diz que vai vender mansão

O imóvel está no meio de um escândalo de conflito de interesse envolvendo o presidente Enrique Peña Nieto

O Estado de S. Paulo

19 Novembro 2014 | 14h46

CIDADE DO MÉXICO - A primeira-dama do México, Angélica Rivera, disse que vai vender sua mansão após revelações que colocaram o imóvel no meio de um escândalo de conflito de interesse envolvendo seu marido, o presidente Enrique Peña Nieto, e uma empreiteira.

Há uma semana o casal presidencial está na defensiva após a divulgação de que a mansão da família está registrada em nome da Ingenieria Inmobiliaria del Centro, subsidiária do Grupo Higa, cujo proprietário, Juan Armando Hinojosa, tem vários contratos de prestação de serviços com o governo.

As revelações chamaram a atenção sobre a fortuna de Rivera e suas ligações empresariais, depois de autoridades do governo dizerem que a casa - contígua a uma outra propriedade pertencente à primeira-dama - pertence a ela, mas que a compra é paga em prestações à empreiteira. Rivera disse que agora pretende vender a casa para proteger a integridade de seu marido e filhos.

Falando pela primeira vez sobre a fortuna acumulada na última década, Rivera disse que o pagamento recebido como uma popular atriz de novelas e em campanhas publicitárias deram a ela segurança financeira e os recursos para comprar a casa, localizada no elegante bairro de Lomas de Chapultepec, na Cidade do México.

"Não tenho nada a esconder", disse Rivera, irritada, no vídeo. "Eu trabalhei durante a maior parte da minha vida e, por causa disso, sou uma mulher independente. Sempre agir de forma ética."

Os detalhes da compra da mansão foram revelados pelo grupo da jornalista investigativa Carmen Aristegui, quando o casal presidencial partia para uma missão comercial na Ásia, na primeira quinzena de novembro.

A controvérsia sobre a propriedade veio à tona apenas alguns dias depois de o governo de Peña Nieto ter cancelado um contrato de US$ 3,7 bilhões com um consórcio, liderado por chineses, para a construção de um trem de alta velocidade.

Um dos integrantes do consórcio é a Constructora Teya, outra companhia do Grupo Higa. Hinojosa recusou-se a fazer comentários a respeito da mansão do casal presidencial.

Rivera disse que sua fortuna é resultado de uma longa carreira, que incluiu 25 anos de trabalho na Televisa, a principal emissora de televisão do país e a maior produtora de programas em espanhol do mundo.

Em sua declaração de imposto de renda de 2010, Rivera informou uma renda de mais de US$ 10 milhões. Ela também tem um apartamento em Miami e outro no subúrbio de Herradura, na região metropolitana da Cidade do México, afirmou.

A respeito da casa, em nome de Hinojosa, a primeira-dama disse ter assinado um contrato em 2012 para pagar cerca de US$ 4 milhões ao antigo proprietário. Os pagamentos seriam feitos em parcelas, pelo período de oito anos, com uma taxa de juros de 9% ao ano. / DOW JONES e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.