Primeira-dama é estrela da primeira noite da convenção

Michelle Obama defende marido e conta trajetória do casal, que superou dificuldades antes de chegar à Casa Branca

CHARLOTTE, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2012 | 03h07

Sem mencionar o nome de Mitt Romney, a primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, fez um duro ataque contra o rival de seu marido. Com um elegante vestido rosa, descontraída diante de 40 mil pessoas na primeira noite da convenção democrata, ela contrastou a trajetória privilegiada de Romney com a origem popular do presidente.

"Quando éramos recém-casados, as parcelas de pagamento do crédito estudantil eram maiores do que a nossa hipoteca. Éramos jovens, apaixonados e muito endividados", disse em um dos momentos mais aplaudidos da noite. "Sucesso não tem a ver com quanto dinheiro você acumulou, mas com a diferença que você faz na vida dos outros."

Michelle é considerada uma primeira-dama elegante, ativa e popular. Na Casa Branca, conduz um programa contra a obesidade infantil e outro de apoio às famílias de veteranos de guerra. Na noite de terça-feira, seu discurso misturou histórias pessoais com os projetos e posições de Obama.

Ao relatar que seu pai trabalhou para pagar os estudos dos filhos, mesmo sofrendo de esclerose múltipla, Michelle destacou a importância da educação no projeto de Obama. Ao comentar que o presidente responde cartas de cidadãos quase todas as noites, ressaltou a importância de ele ter levado adiante a reforma do sistema de saúde. Quando se lembrou das dificuldades financeiras do casal e dos sacrifícios da família, disse que o marido é o resultado das oportunidades dadas pelos EUA. "Barack conhece o sonho americano porque ele o viveu", afirmou.

Michelle usou o relato pessoal para dizer que as decisões do marido em matéria de economia levam em conta o impacto em famílias comuns. "Quando o assunto é a reconstrução da economia, Barack pensa em pessoas como meu pai e sua avó", disse.

Assim como fez Ann Romney, mulher de Mitt, na semana passada, na convenção republicana, Michelle tentou "humanizar" seu marido. "Quando me perguntam se estar na Casa Branca mudou meu marido, digo honestamente que, quando se trata do seu caráter, de suas convicções e de seu coração, Barack continua a ser o homem por quem me apaixonei." / D.C.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.