Primeira greve do governo Vásquez paralisa Montevidéu

O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, que está há três anos e meio no poder, sofreu ontem sua primeira greve geral de 24 horas. A paralisação foi convocada pela central sindical PIT-CNT para exigir aumentos salariais, maiores fundos para a educação pública, redução do Imposto de Valor Agregado (atualmente em 23%) e a revogação da Lei de Caducidade Punitiva do Estado, que concede anistia aos militares e policiais envolvidos nas violações aos direitos humanos durante a ditadura (1973-85).A greve paralisou a capital, Montevidéu, onde reside metade da população de 3,4 milhões habitantes do Uruguai. Repartições públicas, bancos e fábricas permaneceram fechados. Só algumas lojas funcionaram.Vinte e seis sindicatos apoiaram a greve e 15 ficaram do lado do governo, indicando uma divisão entre as centrais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.