Louai Beshara/AFP Photo
Louai Beshara/AFP Photo

Primeiro comboio de ajuda humanitária chega a Ghouta Oriental

ONU enviou 46 caminhões com assistência médica e alimentos para atender cerca de 27 mil pessoas na região que está sob ataque desde fevereiro

O Estado de S.Paulo

05 Março 2018 | 08h41

BEIRUTE - Um comboio com ajuda humanitária entrou em Ghouta Oriental, na Síria, nesta segunda-feira, 5, o primeiro desde o aumento dos ataques por parte das autoridades sírias e forças aliadas.

+ Assad promete continuar ofensiva em Ghouta, na Síria

+ Bombardeios em Ghouta Oriental matam 500 civis em uma semana

O Escritório de Coordenação Humanitária da ONU (OCHA, na sigla em inglês) na Síria informou que o grupo estava entrando em Duma, maior cidade de Ghouta, com assistência médica e alimentos para 27.500 pessoas. O comboio é organizado pela ONU, pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR) e do Crescente Vermelho sírio.

+ Agência de fiscalização investiga supostos ataques com gás cloro em Ghouta Oriental

O OCHA denunciou que "não foi permitido o carregamento de muitos suprimentos de saúde para salvar vidas", mas não informou mais detalhes.

Anteriormente, o CICR havia anunciado que o comboio, composto por 46 caminhões, dirigia-se para Ghouta e havia chegado à zona de Al Wafidín. Essa área separa Ghouta, sob domínio de facções islamitas e rebeldes, das áreas sob o controle das forças governamentais próximo de Damasco.

+França e EUA dizem que não tolerarão impunidade com uso de armas químicas na Síria

O comboio é liderado pelo coordenador humanitário do OCHA na Síria, Ali al Zaatari. O escritório disse que recebeu autorização para dividir a assistência para um total de 70 mil pessoas em Ghouta e que recebeu garantias de que, depois de hoje, poderá voltar à região no próximo dia 8 de março.

Há quase um mês, Ghouta Oriental tem sido alvo de bombardeios das aviações síria e russa, assim como da artilharia governamental. Pelo menos 695 pessoas morreram devido aos ataques, de acordo com o último balanço do Observatório Sírio de Direitos Humanos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.