Primeiro contingente militar italiano chega ao Líbano

O primeiro contingente militar italiano de capacetes azuis desembarcou neste sábado na cidade de Tiro, no sul do Líbano, para reforçar as Forças Provisórias das Nações Unidas (Finul), encarregadas de vigiar a trégua entre Israel e o Hezbollah.As forças da Finul, assim como o Exército libanês, ocupam o sul do país em cumprimento da resolução 1.701 do Conselho de Segurança da ONU, que pôs fim à guerra não declarada de 34 dias entre Líbano e o Hezbollah.Segundo a imprensa local, os primeiros soldados, com boinas azuis, desembarcaram em cinco veículos.A primeira unidade foi encarregada de uma missão de inspeção, antes do desembarque do regimento italiano San Marco, composto por 870 soldados, que mais tarde será reforçado por outros 120 soldados.Belgas em investigaçãoUma missão de reconhecimento integrada por três militares belgas partiu rumo a Beirute para preparar o posicionamento dos cerca de 400 capacetes azuis que a Bélgica deve enviar ao Líbano a partir de outubro.Um dos integrantes da missão é Herman Geens, comandante do futuro contingente belga da Força Interina das Nações Unidas para o Líbano (Finul), informou a agência de notícias "Belga".Os militares belgas farão escala em Paris, de onde seguirão para Beirute junto com soldados franceses.A previsão é que uma nova equipe integrada por cerca de dez homens se una à missão de reconhecimento belga nos próximos dias.A Bélgica enviará para a Finul 394 capacetes azuis, entre eles especialistas em desativação de minas, engenheiros, pessoal médico e um corpo de proteção.Os soldados belgas se instalarão na mesma região dos militares franceses.A maioria dos capacetes azuis (302 militares) viajará para o Líbano no começo de outubro. Os outros 92 irão mais tarde e, inicialmente, servirão por seis meses, período que pode ser prorrogado por outros seis.Matéria ampliada às 09h54

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.