EFE/Fazry Ismail
EFE/Fazry Ismail

Primeiro-ministro admite derrota nas eleições da Malásia

Najib Razak foi derrotado por seu antigo padrinho político e agora opositor Mahathir Mohamad

O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 03h31

KUALA LAMPUR - O primeiro-ministro da Malásia em fim de mandato, Najib Razak, admitiu nesta quinta-feira, 10, sua derrota nas eleições gerais realizadas na última quarta-feira, 9, no País. O eleito foi o seu antigo padrinho político, o agora opositor Mahathir Mohamad.

"Aceito o veredicto do povo. Me comprometo a respeitar a democracia", disse Najib, em um breve comparecimento público. A declaração do primeiro-ministro acontece depois que a Comissão Eleitoral confirmou, ao concluir a apuração, o histórico triunfo da oposição, que liderada por Mahathir derrotou pela primeira vez nas urnas a coalizão no poder desde a independência do País, em 1957.

+ Malásia proíbe 'fake news' e estabelece pena de prisão de até 6 anos

Os resultados finais dão ao bloco opositor Patakan Harapan (Pacto pela Esperança), 104 das 222 cadeiras em jogo, contra as 79 da coalizão governamental Barisan Nasional (Frente Nacional), liderada por Razak. A maioria parlamentar tem 112 assentos e segundo os analistas, Mahathir não terá problemas em conquistar o apoio de alguns dos partidos que tomaram os assentos restantes.

De acordo com veículos de imprensa locais, Mahathir, que já exerceu o cargo de premier e antigo líder da Barisan Nasional, poderia formar uma maioria de até 122 deputados sem ter de recorrer ao partido islamita PAS, que foi a terceira opção mais votada com 18 cadeiras.

+ A compulsão une os líderes dos EUA e da Rússia

A Comissão Eleitoral divulgou os primeiros resultados da apuração durante a madrugada, após manter um silêncio que se estendeu durante várias horas, enquanto as contagens extra-oficiais já apontavam, na última quarta-feira, a vitória da oposição.

Em suas primeiras declarações após o triunfo, o veterano Mahathir, de 92 anos, dirigiu-se aos seus partidários para anunciar que seu objetivo será "restaurar o estado de direito", após os escândalos de corrupção que caracterizaram o mandato de Najib. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.