Primeiro-ministro admite derrota nas eleições do Japão

O primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, admitiu a derrota nas eleições deste domingo depois que pesquisas indicaram que a oposição venceu por uma ampla margem, retirando os conservadores do poder após 54 anos de governo quase ininterrupto em meio a preocupações econômicas e desejo de mudança. "Esses resultados são muito graves", afirmou Aso em uma entrevista na sede do Partido Liberal Democrata (PLD). "Tem havido grande insatisfação com o nosso partido", admitiu o primeiro-ministro.

AE-AP, Agencia Estado

30 de agosto de 2009 | 11h46

Aso disse também que assumirá a responsabilidade pelos resultados, sugerindo que vai renunciar à presidência do partido. Outros líderes do PLD também anunciaram que vão deixar o cargo, embora os resultados oficiais das eleições só serão divulgados amanhã. Pesquisas indicam que o Partido Democrático do Japão (PDJ) deverá obter 300 dos 480 assentos da Câmara Baixa do Parlamento.

Os democratas têm apresentado uma plataforma mais populista, prometendo ajuda a famílias com filhos e a agricultores e um salário mínimo mais alto. Os democratas também afirmam que terão uma relação mais independente com o governo dos Estados Unidos, enquanto formarão alianças mais próximas com os vizinhos asiáticos, incluindo a China. Mas Yukio Hatoyama, chefe do PDJ, insiste em que não fará mudanças dramáticas na política externa do Japão, dizendo que a aliança com os EUA "vai continuar sendo o pilar da política diplomática japonesa". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.