Darrian Traynor/Pool via REUTERS/File Photo
Darrian Traynor/Pool via REUTERS/File Photo

Primeiro-ministro australiano pede à China que impeça ofensiva russa

Em sua fala, Scott Morrison pediu à potência asiática para agir de acordo com suas declarações de promoção da paz mundial

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 04h10

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, fez apelo nesta segunda-feira, 7, à China. Em sua fala, Morrison pediu à potência asiática para agir de acordo com suas declarações de promoção da paz mundial.

Ele solicitou ainda que a China se junte ao esforço para impedir a invasão da Ucrânia pela Rússia, alertando que o mundo corre o risco de ser remodelado por um "arco de autocracia".

De acordo com a Reuters, Morrison também sugeriu que a invasão da Rússia não estava indo de acordo com o plano de seu líder, Vladimir Putin, que ele disse ter "superestimado a capacidade de como ele poderia processar essa guerra ilegal".

"Há muito tempo, a China afirma ter um papel como uma das maiores potências do mundo e contribuir para a paz e a estabilidade globais. Nenhum país terá um impacto maior na conclusão desta terrível guerra na Ucrânia do que a China", disse Morrison em um comunicado. / Com informações da Reuters.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.