Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Vincent Thian/AP
Vincent Thian/AP

Primeiro-ministro chinês diz que país realizará reformas

Para Wen Jiabao, igualdade e a justiça são importantes para a estabilidade social do país adiático

Agência Estado

14 de março de 2010 | 15h00

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, anunciou neste domingo, 14, que o governo de seu país promoverá reformas econômica e política e disse que a igualdade e a justiça são importantes para a estabilidade social chinesa.

 

Veja também:

Google está 99,9% de que deixará a China

Conflito entre EUA e China seria ruim, diz premiê

 

Wen defendeu que o desenvolvimento social da China seja mais inclinado a ajudar os pobres e os setores mais frágeis da sociedade. Os comentários do primeiro-ministro chinês foram feitos em entrevista coletiva concedida depois do término da reunião anual do Congresso Nacional do Povo, o Parlamento chinês, iniciada dez dias atrás.

Na conversa com os jornalistas, Wan advertiu a outros países que não pressionem a China com relação a sua política cambial e insistiu em que a moeda de seu país não está subvalorizada. Ele tomou o cuidado de não descartar a possibilidade de uma eventual apreciação do yuan e reiterou declarações anteriores do governo segundo as quais a China pretende manter a reforma de seu sistema de câmbio.

No entanto, Wen refutou em diversas ocasiões argumentos favoráveis à valorização do yuan e observou que, mesmo quando o valor do yuan frente ao dólar permaneceu inalterado no ano passado, as exportações dos Estados Unidos e da Europa para a China foram mais robustas do que as exportações dos mesmos para o restante do mundo. Wen também disse esperar que os EUA adotem medidas concretas para remediar as relações bilaterais com a China e defendeu que o melhor para os dois lados é a parceria, e não a rivalidade.

Ele reforçou as posições chinesas quanto à recente recepção do presidente dos EUA, Barack Obama, ao dalai-lama e à venda de armas a Taiwan e argumentou que, por motivos como esses, a responsabilidade por remediar a situação recai sobre Washington. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinareformasWen JiabaoWen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.