Primeiro-ministro da Armênia morre de infarto

O primeiro-ministro da Armênia, Andranik Markarian, morreu neste domingo de enfarte do miocárdio, confirmou à Efe um porta-voz do governo armênio. Markarian, de 55 anos, que sofria de "insuficiência cardíaca" há vários anos, morreu às 12h20 (hora local) em Yerevan.Membro do governista Partido Republicano, Markarian foi nomeado primeiro-ministro em 12 de maio de 2000. O chefe de governo, que estava resfriado desde sábado e se queixava de calafrios, se sentiu indisposto logo depois de se levantar da cama nesta manhã, por isso seus parentes decidiram chamar uma ambulância.Operado várias vezes na Armênia e no exterior, a última vez na perna, em junho, em Paris, Markarian era casado e tinha três filhos e cinco netos.O presidente armênio, Robert Kocharian, convocou uma reunião extraordinária do gabinete de ministros para estudar as medidas a serem tomadas após a morte do chefe do governo, em particular, a nomeação de seu sucessor no cargo.Segundo analistas, a morte do primeiro-ministro poderia mudar o panorama político do país, uma vez que em 12 de maio haverá eleições parlamentares. Ao mesmo tempo em que era representante do governo, Markarian mantinha boas relações com a oposição, que acusa Kocharian decercear as liberdades fundamentais.O primeiro-ministro se interessou pela política muito cedo e aos 17 anos já tinha se integrado ao movimento nacionalista. Em 1974, as autoridades da república soviética da Armênia o condenaram a dois anos de prisão por participar de atividades políticas clandestinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.